Gestão da Doença falciforme, teste de medula óssea.

Gestão da Doença falciforme, teste de medula óssea.

Conteúdo

Fundo

Natureza do Problema

a Doença das Células falciformes (SCD) Resulta da substituição de hum Resíduo valina POR ácido glutâmico na posição 6 na subunidade beta da hemoglobina (Ingram, 1956). Com poucas Exceções, Como PESSOAS COM APENAS UM gene da hemoglobina S (Hb S) São fenotipicamente normal (traço falciforme). Como PESSOAS que herdam genes Dois Hb S de SEUS pais Tem Uma Doença falciforme. Desoxigenada Hb S tende a polimerizar-se NÃO covalentemente em Cadeias Compridas Que se deformam Ao eritrocito, Dando Uma Característica "falciforme" morfologia (Eaton e Hofrichter, 1990). O Hb S com oxigénio Ligado (Exemplo POR, na Circulação arterial) NÃO polimeriza.

A Doença falciforme E Extremamente variado em SUAS Manifestações (Ballas, 1991) (Carneiros, 1982). Isto É inclui tanto OS Sistemas de Órgãos Que São afectados, Assim Como da Gravidade da aflição. Um Estudo da História Natural da Doença falciforme indicou Que cerca de 5% dos pacientes DOS São Responsáveis ​​POR Quase hum terço das internações hospitalares (Platt et al., 1991). Um Numéro significativo de pacientes com a Doença TEM poucas admissões e viver Uma vida Produtiva e relativamente Saudáveis. O ritmo de vida Médio de Pessoas com Doença falciforme e Mais Curto Fazer que o normal, entanto NÃO, O Que reflecte hum aumento da Mortalidade devido Às Complicações da Doença.

Moduladores da SCD Gravidade

hemoglobina fetal

pacientes OS COM Doença falciforme, que também TEM Persistência hereditária de hemoglobina fetal (PHHF) MUITAS vezes TEM poucos OU Nenhum sintoma (Stamatoyannopoulos et al. 1975). Nestes individuos, Hb F geralmente compreende Mais do Que 20% da hemoglobina Nos eritrócitos. Pacientes OS PODEM SER Protegidos parcialmente contra OS estragos da Doença falciforme com níveis AINDA Mais Baixos de Hb F. Infelizmente, poucos pacientes com anemia falciforme TEM níveis de Hb F Superiores a 10 OU 11%, na ausencia de PHHF.

Hb fetal perturba Uma polimerização da desoxi-Hb-S (Goldberg et al., 1977). Desde polimerização da desoxi-Hb-S E o Evento de Sinal na patogênese da SCD, Hb fetal efetivamente impedir a Manifestação da Doença. A Distribuição de Hb F Entre Células Vermelhas também E Importante. Em Persistência hereditária de hemoglobina fetal (PHHF), Hb F Existe em níveis Elevados em TODAS Como Células Vermelhas. Todas Como Células Vermelhas São igualmente Protegidos de afoiçamento. Na ausencia de PHHF, os pacientes com níveis Elevados de Hb F TEM Uma Distribuição heterogénea da fetal hemoglobina entre Como Células. Um Excesso Exemplo simplificado e Um Paciente há qua da Metade das Células TEM 30% de Hb F e Metade TEM 0%. O Paciente Terios 15% Hb F Geral. No entanto, um Metade das Células falciformes e Iria obstruir o Fluxo atraves da microcirculação. ESTAS Células deformadas Iria bloquear o Fluxo das Células de Elevados Hb F, normalmente em forma. O Paciente Iria experimentar Todas Como Manifestações da Doença falciforme.

Alfa-talassemia

Precursores Fazer Ill

O advento das terapias Que PODE melhorar significativamente o Curso clínico da Doença das Células falciformes abre a possibilidade de Uma Intervenção Precoce. Se OS Médicos poderiam Prever Quais Crianças Serao Vítimas de recorrentes crises de dor severa OU episódios de síndrome torácica aguda, Que poderia Intervir Antes dos episódios Clínicos impedindo ASSIM Uma morbidade Associada e Possível Mortalidade. Isto É particularmente Relevante Paragrafo Tratamentos Como transplante de medula óssea Que PODE Curar uma falciforme Doença, mas também carregam o Risco de morbidade significativa e MESMO Mortalidade.

Tabela 1. Os Fatores Que se correlacionam com hum Curso sepultura clínico em Doença Falciforme

  • Um Episódio de dactilite Antes de Um Ano de Idade.
  • Um nivel de hemoglobina inferior a 7 g / dL como Aposta de Da Idade de 2 anos.
  • leucocitose persistente na ausencia de Infecção

A Relação Faz Risco de acidente vascular cerebral com Uma Velocidade Elevada arterial NAS artérias intracranianas E discutido Abaixo.

Origem do Sickle Mutation

haplótipos da beta-globina

A mutação Hb S surgiu de forma Independente Pela quinta vez, Não Sudoeste da Ásia (Miller et al., 1987). A área do Oriente Médio Perto da Cabeça do Golfo Pérsico E pantanoso Muito. Sem Passado, Era Uma área pantanoso e abrigou a malária. A malária continua a Ser endémica de grande parte do subcontinente indiano. O Fato de Que Uma mutação Hb S Aparentemente surgiu em RESPOSTA à malária na Ásia Sudoeste APOIA Uma "explicação malária" da Prevalência do gene. A Identidade Fazer hemoglobina haplotipo S na Índia e na Região do Golfo Pérsico Sugere Que Ela surgiu em Uma área e Mudou-se Para O Outro com O Comércio UO a Migração (Ramasamy et al., 1994) (Kar et al. 1986). Embora NÃO possamos ter Certeza da Origem do haplotipo Asiática gene Fazer falciforme da anemia, gene Uma Elevada Prevalência Muito fazem em Populações tribais da Índia sugerem Que o subcontinente foi o local, de Origem. Este Variedade Asiática da Hb S PODE, em Meios de Comunicação, produzem Menos Complicações Fazer que OS SEUS homólogos Africanos (Perrine et al. 1978).

O gene da anemia falciforme e Malária

A hipótese da malária Sustenta que Durante a pré-História, em Meios de Comunicação, Como o gene PESSOAS SEM falciforme morreram de malária em Uma Alta Freqüência. Por Lado Outro, Como genes PESSOAS COM Dois de hemoglobina falciforme Morreu da Doença das Células falciformes. contraste Em, heterozigotos OS (traço falciforme) foram Maïs Resistentes à Fazer malária que Os Normais e AINDA sofreu Nenhum dos maus Efeitos da Doença falciforme. Esta Selecção Paragrafo OS heterozigotos denominado E "polimorfismo equilibrado". Suporte para este Conceito VEM de Estudos epidemiológicos regiões EM endêmicas de malária da África. A Frequência de traço falciforme E menor em PESSOAS Que VEM PARA O Tratamento de Clínicas de malária fazem Que É visto na População em geral (Wilcox, et al., 1983). A que suposição E Razoável, em relaçao a malária forma de Proteção e sem Situação Trabalho Nesta.

Sepulturas Gestão de Problemas

Dor

O Modo de inicio de crises de dor falciforme varia da MESMA forma. pacientes OS PODEM desenvolver UMA Dor agonizante Sepultura em Menos de 15 Minutos. Em Outros Casos, a dor aumenta gradualmente Mais horas OU MESMO dias. Pacientes hum Controlar a maioria dos episódios de dor em Casa. Analgésicos orais, combinadas COM Descanso e Fluidos, MUITAS vezes permite Que uma pessoa "Superar" o Episódio de dor. Alguns pacientes relatam que Banhos Quentes OU compressas Quentes Aplicado a dores NAS Articulações melhora a Gravidade da dor.

Os LOCAIS afetados dolorosas crises agudas EM variam Paragrafo Cada Paciente. A dor ocorre comumente NAS Extremidades, tórax, costas e abdômen (Ballas e Delengowski, 1993). A dor tende a recorrer Ao MESMO LOCAIS pessoa Paragrafo Uma em particular. Para pessoa Cada, a Qualidade da dor crise E geralmente semelhante a Partir de Uma crise Paragrafo Outra. Durante a Avaliação, o Profissional DEVE questionar o Paciente Quanto a saber se a dor se Sente Como "típica" dor falciforme. A maioria Dos pacientes PODE distinguir Uma dor nas Costas devido a pielonefrite OU dor abdominal devido à colecistite, Por Exemplo, de SUA dor falciforme típico. Se a Qualidade da dor NÃO e tipico da Doença das Células falciformes, OUTRAS Causas devem Ser investigados OS Antes atribuindo-a vaso-oclusão.

opiods

pacientes OS MUITAS vezes sentem Que hum analgésico, Como hidromorfona Por Exemplo, ControlA Uma dor de forma Mais Eficaz de Fazer que Outros. Portanto, Enguias devem Ser questionados Sobre o tipo de medicação Que Tem funcionado Melhor sem Passado. Além Disso, os pacientes Alguns PODEM apresentar Reações com hum analgésico (Por Exemplo comichão com meperidina), o MAS NAO COM OS Outros (Pegelow, 1992).

pacientes OS PODEM se tornar sonolenta Como A SUA dor E Controlada. MUITAS vezes, ISSO reflete o cansaço Que VEM COM Uma UO Mais Noites sem dormir com dor em Casa. Analgésicos OS NAO DEVE Ser interrompido automáticamente Paragrafo sonolência, enquanto o Paciente ESTÁ fácilmente despertado. Um equívoco Comum E Que, se uma pessoa ESTÁ Dormindo, OS Analgésicos estao controlando a dor. pacientes OS MUITAS vezes dormir, apesar de dor severa. A analgesia PODE Ser Quantidade de Lentamente reduzida Como síntomas Fazer Doente melhorar. Enquanto o afunilamento de Analgésicos POR via intravenosa PODE exigir APENAS Dois OU Três dias, o Controle de MUITAS Uma crise completa explodido vezes Exige 10 a 14 dias. Menos comumente, Ataques de foice dor vaso-oclusiva exigir Varias Semanas de Controlar.

Eventualmente, O PACIENTE DEVE SER transferido Pará Analgésicos opióides orais, que PODEM Ser Necessários Paragrafo Uma semana UO Mais Apos hum Alta (Friedman et al., 1986). OS Analgésicos parenterais DEVE Ser gradualmente reduzida Apos hum Iniciado E POR via medicação oral. interrupção abrupta de Analgésicos parenterais QUANDO OS Medicamentos orais São iniciadas PODE causar zumbido rebote na dor crise de Células falciformes. A DOS maioria pacientes com Doença falciforme Gerir OS SEUS Analgésicos de forma Responsável. Se Possível, Enguias devem ter hum Fornecimento de Analgésicos em Casa Paragrafo Controlar episódios Menos Sepulturas de dor. Além de analgesia, OS PACIENTES COM crises dolorosas também devem Tomar Suplementos de Oxigênio e Fluidos intravenosos. Uma vez Que a dor ESTÁ soluçar Controle, hidratação orais PODE substituir Fluidos intravenosos OS.

analgesia epidural TEM SIDO USADO PARA O Controle da dor em Alguns pacientes com Doença falciforme (Tobias, 1993) (Yaster et al., 1994). Este Abordagem e Mais Eficaz quando o desconforto Maior E nivel Ao inferior do peito. pacientes Embora Alguns recebem hum bom Alívio COM analgesia epidural sozinhos, Outros continuam a exigir Analgésicos sistêmico, AINDA Que em doses MAIS Baixas. Alguns pacientes TEM de Uma aversão agulhas Psicológica Paragrafo Ter introduzidas em SUAS costas e se recusam a analgesia epidural, apesar fazer Seu Alivio da Dor Superiores EM sistêmicos Relação AOS Analgésicos.

Não-Esteroides anti-Inflamatórios (AINEs)

Transfusão

Transfusão simples NÃO E UMA Intervenção Eficaz Para a Gestão de episódios dolorosos Agudos pacientes de EM com Doença falciforme. Transfusão de Troca TEM SIDO USADA em tentativas Paragrafo ALIVIAR Ataques de dor severa, intratável com Melhor Efeito, geral (Davies e Brozovic, 1989). Além Disso, Uma terapia de Transfusão Crónica dez Sido Usado Pará Diminuir a frequencia da Dor crises EM PACIENTES COM dolorosas recorrentes debilitante (Keidan et al. 1987). Embora POR vezes Eficaz, ESTA Abordagem Como hum Número de Problemas, Como detalhado Abaixo.

corticosteróides

Um Relatório RECENTE descreveu o Uso de corticosteróides em Uma coorte de Crianças com crises de dor falciforme Sepulturas (Griffin et al., 1994). pacientes OS receberam doses Elevadas de Esteroides POR via intravenosa EM CADA hum dos Dois Primeiros Dias de SUAS crises dolorosas falciformes. O grupo de Tratamento Necessários Analgésicos narcóticos Paragrafo Approximatif Metade do Tempo Que OS PACIENTES de Controlo. A taxa de recidiva da dor foi significativamente Mais Elevada em Doentes Que receberam o Tratamento com Esteroides. Esta confirmação Observação intrigante Aguarda, particularmente em Adultos com Doença falciforme.

A torácica aguda síndrome

A saturação de oxigénio Fazer arterial normalmente cai com ACS hum hum Maior grau Que ocorre com Uma simples magnitude pneumonia da MESMA do Sangue. pacientes OS COM a síndrome torácica aguda MUITAS vezes TEM infiltrado pulmonar progressiva apesar do Tratamento com a Antibióticos (Koren et al., 1990). Um desencadear Infecção PODE Uma Onda de isquemia LOCAIS Produz que afoiçamento focal, desoxigenação e afoiçamento Adicional.

Os vasos da microcirculação NÃO pulmão tendem a constringir a hipoxia em vez de dilatar, Como ocorre com OS Vasos EM OUTRAS Partes do Corpo. Regiões de constrição vascular poderia agravar a oclusão da microcirculação. Desmarcada, ACS PODE Produzir colapso cardiovascular e morte. ACS ocorre comumente MAIS EM Crianças do que em Adultos (Polvilhe et al., 1986) (Gill et al., 1995). Como PESSOAS Que sobrevivem um zumbido Episódio de ACS São Mais prováveis ​​Fazer que Uma População de Células falciformes EM GERAL hum Ataques Ter Futuros. Pacientes Que sofrem episódios recorrentes de ACS São propensas a desenvolver Insuficiência pulmonar crônica.

Dada a anemia de base de de em SCD, comprometimento pulmonar E UMA complicação sepultura. O Passo Mais Importante NÃO Tratamento de ACS E o de reconhecer o Distúrbio. Infecções bacterianas DEVE potencial Ser tratada com a Antibióticos apropriados. QUANDO OS síntomas progridem, em particular, com hum agravamento da radiografia de tórax, ACS DEVE Ser Considerada. vezes POR, o Padrão pulmonar imitaçà insuficiencia cardíaca congestiva. No entanto, insuficiencia cardíaca congestiva E Incomum em Pacientes com anemia falciforme Que estao na Faixa etária dos 15 a 30 anos, Tornando o diagnóstico presuntivo de ACS Mais provável. Um Ao ao declínio Implacável na oxigenação arterial E MUITAS vezes hum prenúncio de ACS, e Exige Ação Imediata.

exsangüineotransfusão E o Tratamento de ESCOLHA paragrafo ACS (Lanzkowsky et al. 1978) (Anónimo et al., 1995). O Procedimento ENVOLVE Uma Troca do volume total de sangue ê ê Feito de forma Mais Eficiente usando Uma máquina de aférese. QUANDO Uma máquina de aférese NÃO ESTÁ Disponível, Transfusão sequencial / flebotomia realizada PODE ser. A eletroforese de hemoglobina devem Ser enviadas Antes da Transfusão de Troca. Um Segundo DEVE Ser enviado apos o Procedimento. O Objectivo de e assegurar Que a Troca reduziu a percentagem de Células de Hb S Paragrafo Menos de 30%. pacientes OS MUITAS vezes melhorar substancialmente a poucas horas DEPOIS de Troca Uma. Aumentando a oxigenação arterial e diminuindo a dispnéia geralmente augura nada de Recuperação. A radiografia de tórax geralmente Atrás FICA do Estado clínico. Desde a pneumonia bacteriana raramente pacientes PODE Ser excluída Nestes, a maioria recebe Antibióticos concomitantes de AMPLO espectro.

Um Problema potencial Sério com hum Transfusão de Troca ESTÁ atrasado Reação transfusional (Diamond et al. 1980). A DOS maioria pacientes com anemia falciforme São de ascendência Africano. A Maior parte do Sangue Disponível Para Transfusão VEM de Pessoas de ascendência EUROPEIA. Um certo Número de antigénios de Globulos Vermelhos Menores São expressos EM Frequências Diferentes Nestes Dois grupos. Transfusão repetida de QUALQUÉR PODE Africano-americana, portanto, induzir Anticorpos dirigidos contra Estes antigénios Menores.

Os registros de Transfusão de QUALQUÉR candidato Transfusão de Troca DEVE Ser pesquisado exaustivamente Paragrafo QUALQUÉR História de Anticorpos Paragrafo antigénios dos eritrócitos Menores. Pesquisa de Anticorpos repetido apos DEVE Ser Tres Uma Quatro Semanas de Transfusão de Troca Paragrafo PROCURAR Novos aloanticorpos Paragrafo Antígenos Menores.

Infecção

OS PACIENTES COM Doença falciforme São susceptíveis UM Infecção generalizada (Olopoenia et al., 1990) (Overturf et al. 1977) (Landesman et al. 1982). O Fator Mais significativo E autoinfarction Fazer baço Durante a infância (Fernbach e Burdine Jr, 1970). asplenia funcional pacientes Deixa vulneráveis ​​a encapsulados Infecções por Organismos, Tais Como Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae. Além Disso, Alguns Estudos sugerem Que OS neutrófilos NÃO funcionam adequadamente EM pacientes com Doença falciforme (Humbert et al., 1990). Como Uma mutação em Doença das Células falciformes PODE Conduzir hum hum defeito na Função dos neutrófilos NÃO E clara.

Os Doentes com anemia falciforme e febre inexplicada DEVE Ser cultivadas Completamente. SE uma septicemia Condição Clínica Sugere, a Melhor Ação e Começar a Antibióticos de largo espectro Apos Uma cultura completa. Sinais de Infecção sistêmica incluem febre, calafrios, letargia, mal-estar, e Hipotensão. Os Doentes PODE com septicemia expirar em horas APENAS algumas . Portanto, uma Opção Observação NÃO E UMA Boa quando sepse E Suspeita.

Aguda da medula Necrose

pacientes OS com necrose da medula óssea MUITAS vezes sofrem dor terrivelmente Sepultura. Alguns pacientes necessitam de Medidas drásticas, Como Uma anestesia peridural Paragrafo Controle da dor wrenchingly intensa. pacientes OS MUITAS vezes descrevem necrose da medula óssea aguda Como produzindo "hum Pior dor Que Eu Já experimentei." A necrose ocorre frequentemente na medula Fazer Costelas, fêmur e tíbia.

encefálico vascular Acidente

Doentes OS Nenhum Grupo de Transfusão receberam transfusões simples OU cambiais hum CADA 3-a-4 Semanas, em hum esforço Paragrafo Manter o Nível da Hb S Abaixo de 30%. Apos hum ano, 10 das Crianças do grupo de Tratamento Padrão tinha sofrido hum infarto cerebral, em Comparação com Uma Criança no grupo de Transfusão. Este Diferença Representação hum decréscimo Relativo de 90% na taxa de Acidente cerebrais transfundidos EM PACIENTES vasculares. Estes Resultados foram Tão convincentes que Monitorização de Segurança de Dados e Conselho do Estudo, Composto POR Peritos Independentes, fóruns NAS áreas de Hematologia pediátrica, neurologia, radiologia, Estatística e ética recomendou Que o Julgamento Ser Encerrado Mais Cedo para quê, Como Recebido Crianças Que tinham Cuidados de Suporte Padrão poderia Ser oferecido hum Tratamento Eficaz para Prevenir o AVC Pela Primeira vez. Em 2 de setembro de 1997, o Estudo foi interrompido, e Os Investigadores nsa 14 Centros Participantes foram informados dos Resultados e a eficacia da terapia de Transfusão.

A Paragem de teste confirmou que TCD PODE identificar as Crianças com anemia falciforme em alto Risco de acidente vascular cerebral Pela Primeira vez. Uma vez Que o Maior Risco de acidente vascular cerebral ocorre na infância, o NHLBI recomenda que Crianças com idades entre 2-16 Receber triagem TCD. O rastreio DEVE Ser Realizado em hum LOCAIS Onde OS Médicos foram treinados Paragrafo fornecer TCDs de Qualidade comparável e Conteúdo de Informação AOS utilizados Sem Parar teste. Os Médicos devem também Ser Capaz de Le-los de Uma Maneira consistente com O Que foi Feito em Parar. Para aplicar hum informação preditiva e terapêutico Desenvolvido em PARAR Julgamento, Dois TCDs Anormais stop-comparáveis ​​pacientes identificar São Necessários Pará com alto Risco de acidente vascular cerebral (Velocidade Superiores a 200 cm / s EM DUAS ocasiões distintas).

Durante o seguimento, algumas criancas na grande População de triagem, Que inicialmente tinham Leituras Normais OU ambíguas TCD Desenvolvido Leituras TCD francamente Anormais. Estes Dados sugerem Que as Crianças com TCDs Normais DEVE SER re-selecionados dos dos em hum Intervalo Que Depende de SUA Idade e o resultado Antes de TCD. Embora o momento óptimo NÃO E conhecido, re-rastreio de Approximatif hum cada 6 meses, e Um Objectivo Razoável.

Crise sequestro esplénico

colapso circulatório e Morte PoDE ocorrer em Menos de Trinta Minutos. autoinfarction Fazer baço Torna crise sequestro esplénico Incomum em Adultos com Doença falciforme homozigoto Hb S. A Condição PODE ocorrer em Adultos com beta-talassemia falciforme OU Doença foice-hemoglobina C (SC), Uma Vez autoinfarction NÃO ocorre Nestes Síndromes (Roshkow e Sanders, 1990) (Solanki et al., 1986). O sintoma Mais proeminente E deixado dor no quadrante superior. volumes Os de sangue Maiores de Adultos fazem Hipotensão e colapso circulatório Muito Menos Comum do que em Crianças.

O Tratamento da crise sequestro esplénico inclui Fluidos intravenosos e Transfusão Como Necessário Para Manter intravascular o volume. Uma Criança Que SOFRE UM Episódio de crise sequestro esplénico E em Maior Risco de hum Segundo ataque (Kinney et al., 1990). Especialistas debatem se as Crianças Que sobrevivem um zumbido Episódio de crise sequestro esplénico devem Ser submetidos a esplenectomia profilática APOS A SUA Recuperação (Szwed et al. 1980). POUCO E conhecido Sobre a Condição em Adultos. Dada a menor morbidade e Mortalidade em Adultos, esplenectomia raramente E UMA consideração.

crise aplástica

Crise aplástica E UMA complicação potencialmente mortais da Doença falciforme Que DESENVOLVE se quando um Produção de eritrócitos cai TEMPORARIAMENTE. A Infecção com parvovírus B-19 provoca frequentemente crise aplástica (Saarinen et al. 1986). Um vírus adeno-Associados Causas "Quinta Doença", Uma Doença da infância, normalmente benigna Associada à febre, mal-estar, e Uma erupção cutânea Ligeira. O vírus TEM UM trofismo de Células progenitoras eritróides, e prejudica a divisão celular POR Alguns dias Durante a Infecção. Experiência PESSOAS Normais, Não Máximo, Uma Ligeira Queda no hematócrito desde a meia-vida dos eritrócitos em Circulação E de 40 a 60 dias. O Quadro E diferente em Pacientes com anemias hemolíticas, que mantêm hematócritos razoáveis ​​SOMENTE ATRAVES da Produção prodigiosa de Novos Globulos Vermelhos. A Paragem na Produção eritróide POR Alguns Dias sas pacientes PODE Levar a quedas potencialmente mortais do hematócrito (Mallouh e Qudah, 1993). Frequentemente, mas NÃO sempre, crise aplástica coincidir com hum doloroso crises. A reticulócitos DEVE Ser contagem de verificada no momento da admissão à sala Emergência OU PARA O Hospital de em Pacientes com anemia falciforme. O Tratamento da crise aplástica E Puramente de Suporte, com transfusões Paragrafo Manter hum hematócrito aceitável Até Que a Atividade da medula E restaurada.

Hepática sequestro de Crise

priapismo

Gagueira priapismo E Comum. Aqui, o (Tipicamente) Jovem DESENVOLVE ereções horas Que Duram Uma Uma Duas, inicialmente, Que se resolvem espontaneamente. A Condição em SEGUIDA, PROGRIDE hum hum Ponto Onde Como erecções São Bastante prolongado e doloroso. Priapismo Que Durou Mais de Três OU Quatro Horas E UMA Emergência Médica, POIS PODE impotencia provocar (Mykulak e Glassberg, 1990) (Emond et al. 1980).

crônicos Gestão de Problemas

Dor

fármacos Não-Esteroides anti-Inflamatórios

opióides Analgésicos

A DOS maioria pacientes Que necessitam de doses Grandes OU Frequentes de opióides Paragrafo Controlar a dor NÃO ESTÁ buscando drogas Paragrafo barbatanas recreativos. MUITAS vezes, os pacientes sos se tornam tolerantes a opióides. Consequentemente, a Quantidade de medicação necessaria Paragrafo Controlar a dor severa exceder como Uma sepultura de hum individuo com hum Episódio doloroso, MAS auto-limitada, Tais Como ligamentos Fazer rasgadas Joelho. A maioria Dos pacientes relatar com Precisão Uma Quantidade de Analgésicos Necessárias Para Controlar A SUA dor (Gil et al., 1994). Em Alguns Casos, de Acção prolongada Analgésicos opióides PODE atenuar a Gravidade da dor, permitindo Que OS PACIENTES utilizam Menos dos Agentes de actuação Mais Curto. Infelizmente, nenhuma Medida objetiva da dor Existe. O Tratamento Adequado da dor, independentemente da causa Exige UM DIÁLOGO em Curso Entre o médico e Paciente (Armstrong et al., 1992).

Possível Que Sempre, OS PACIENTES devem Começar hum Tomar OS SEUS Analgésicos Antes Que a dor se Torna Extremamente sepultura. Manutenção da dor hum hum Nível tolerável, e Mais Fácil de reduzi-la a Partir de hum Nível Elevado de intensidade. Um Episódio típico de dor falciforme sepultura requerer PODE UM Doente a consumir 4 a 8 mg de hidromorfona por vía oral, Uma cada Três horas Paragrafo Conseguir Alívio. MUITOS "grave" crises falciformes gerenciados SER PODEM em Casa com Analgésicos, Fluidos e Descanso. Se a dor PROGRIDE apesar do Uso de quantidades razoáveis ​​de medicação, o Paciente DEVE PROCURAR Cuidados Médicos de Emergência.

Um dos Obstáculos Para o Controle da dor crónica E hum Curta Duração de Acção Comum a MUITOS Analgésicos, Tais Como hidromorfona e meperidina. Um certo Número de formulações de actuação prolongada Mais estao disponíveis. Uma das drogas Mais eficazes PARA O Controle da dor falciforme metadona E crónica. Apesar de Ser Mais conhecido Pela SUA utilização em Programas de desintoxicação narcóticos, a metadona e Um analgésico Muito Eficaz quando administrado Três vezes por día. Metadona PARA O Controle da Dependência de narcóticos PODE Ser dispensado APENAS em Centros de desintoxicação Certificados. Metadona Pará Controle da Dor PoDE SER Dado EM OUTRAS instalações em conformidade com orientações de Como Pará a utilização de QUALQUÉR opioide.

Comportamento droga-seeking

O vício E UMA Preocupação Pará hum prestadores de Serviços Médicos e pacientes quando uma crónica requer dor o OSU a Longo Prazo de opióides PARA O Controle. A magnitude do Problema E Menos do Que MUITAS vezes E imaginado, entanto Nao. Aqueles Que desenvolvem hum Comportamento vício ou-droga buscando São Vistos frequentemente em salas de Emergência e, Como Pacientes internados. Este super-Representação de hum Pequeno Número de pacientes Nenhum Sistema de Saúde lev MUITOS Provedores de concluir Que o Comportamento droga-PROCURANDO e Um Problema para á maioria de dos pacientes com Doença Falciforme. Opióides utilizados PARA O Controle da dor, MESMO QUANDO administrado em doses relativamente altas, geralmente NÃO levam à Dependência. Tal Como Acontece com QUALQUÉR Outro grupo de Pessoas, os pacientes Alguns COM Doença falciforme TEM Uma propensão a desenvolver Vícios. o "Acesso Mais Fácil" pacientes Que em Estes TEM de narcóticos Traz à tona hum Desenvolvido Problema Que PODE ter, em QUALQUÉR Caso.

Pacientes com Comportamento de busca de drogas extremas OU Transtornos de personalidade sociopata MUITAS vezes Adquirir Medicamentos de Outros hospitais OU instalações Médicas. Às vezes ISSO e Feito soluçar Uma cobertura de hum alias. prestadores de Cuidados de Saúde TEM CAPACIDADE de Controlar ESSA Atividade limitada. O provedor DEVE ter Certeza de Que o Padrão de uso de drogas em SUA Instituição E Razoável, MAS NÃO PODE policiar Toda a Região.

Grupos de Apoio / Suporte Psychiatric

A Dinâmica psicossociais da Doença falciforme São Complexas. Como COM QUALQUÉR Outra crónica e debilitante MUITAS vezes, enfrentam Doença, OS PACIENTES Uma infinidade de Problemas Sociais Que influenciam Muito SUA Condição clínica (Whitten e Fischhoff, 1974). A solidão, o Isolamento, um auto-ressentimento, Perda de auto-estima, Raiva e Simples São Comuns EM pacientes com Doença Falciforme. Estes Factores PODEM Influenciar Profundamente hum CAPACIDADE fazer Doente Para lidar com a dor. Grupos de Apoio AOS Doentes e Aconselhamento Psicológico, MUITAS vezes São Muito Úteis. Resultados Positivos OS em Estudos em Que as Crianças foram ensinadas Habilidades de enfrentamento Psicológicas Para a dor, reforçar a importancia Deste Componente da Assistência Ao Paciente (Gil et al., 1991).

Anemia

A vitamina A suplementação

Transfusão esporadica

Terapia de Transfusão crônica

Um grande obstáculo à utilização de desferrioxamina E o NÃO cumprimento. Este e Um Problema especial Jovens Paragrafo OS, E ocorre em Outras Doenças Que necessitam de terapia de quelação de sobrecarga de ferro transfusional, incluíndo beta-talassemia e anemia sideroblástica congênita. Investigação de Outros quelantes, incluíndo algumas drogas oralmente activos, Esta em Curso. A aprovação E iminente Pará Nenhum agente, Nenhum entanto.

aloimunização

Aloimunização contra Antígenos de Células Vermelhas Pequenas e Um Grande Problema Paragrafo OS PACIENTES COM Doença falciforme que recebem transfusões Frequentes (Rosse et al., 1990). A Representação de Antígenos Menores, Como Kell, Duffy e Kidd, Difere Entre afro-Americanos e Americanos European- (Issitt, 1994). PACIENTES Pará OS que recebem transfusões APENAS algumas, o Problema NÃO E Sepultura. Com Transfusão repetiu, entanto NÃO, OS Anticorpos desenvolver ESSES contra Determinantes Menores complicando a digitação, comprometendo o Transfusão.

O USO rotineiro de sangue de Doadores pretas Paragrafo pacientes negros com Doença falciforme Não Se justifica. A Probabilidade de ENCONTRAR Unidades compatíveis COM pacientes com Doença falciforme E Maior quando Como PESSOAS negras estao na piscina Doador. Combinando Necessário E, NÃO entanto, Uma Vez Que uma Variação fazer negros antigénio OS entre, Como de Todos os Outros Seres Humanos, e grande. Um Conjunto de Doadores expandiu melhora substancialmente a chance de hum Jogo com o teste de antígeno.

Idade e Gravidade da anemia

profilaxia Infecção

Antibióticos

Um Segundo Estudo olhando Para o papel de penicilina profilática em Crianças Maïs Velhas foi recentemente concluída. De: (. Falletta, et al, 1995) de: Não houve Diferença na Incidência de Infecção sepultura foi Encontrado Nesta coorte de Crianças entre Como idades de 5 e 12 años. A implicação E que a penicilina desempenha hum papel profilático Importante SOMENTE em Crianças Pequenas. Uma ressalva Paragrafo uma Interpretação Deste Estudo E que hum Incidência de Infecção pneumocócica foi surpreendentemente baixa em Ambos OS grupos. Isto É poderia ter SIDO UM acaso clínica. Como tal, Uma Verdadeira Diferença na taxa de Infecção Entre Os Dois Grupos perdidas Sido poderiam ter.

O papel da penicilina profilática em Adultos com Doença falciforme NÃO E clara. Adultos desenvolver sepse, mas com Uma Frequência Muito menor Do Que as Crianças. Nenhum Estudo Controlado Para determinar se OS Antibióticos profiláticos São Úteis em Adultos foi Feito. O Julgamento terminou recentemente em Crianças Mais Velhas sugerem Que OS Antibióticos profiláticos NÃO PODEM beneficiari Adultos. No entanto, MUITOS Médicos prescrevem profiláticos AINDA Antibióticos Paragrafo Adultos.

Imunização

A Imunização com a Vacina pneumocócica e Prática corrente, tanto em Adultos e Crianças com Doença falciforme. Vários Estudos sugerem Que hum Imunização proporciona Alguma Protecção, incompleta embora, contra hum pneumocócica Infecção (Ammann et ai. 1977) (Ammann, 1982) (Schwartz, 1982). A Vacina Parece Ser Eficaz MESMO em Adultos Onde a Função do baço foi perdido (Wong et al., 1992). Um fornece Vacina 23-valente Mais recente Disponível Uma cobertura Mais Ampla Fazer isso Como versões Anteriores. pacientes, embora a Duração da Protecção E Desconhecida, a maioria dos Especialistas Uma re-inocular Vez hum cada 5 a 7 anos. Uma voz Contraria Notável VEM de Uma Avaliação broadbased da eficacia da Vacina pneumocócica, Que lançou Dúvidas Sobre o papel de da Vacina EM pacientes com Doença Falciforme (Butler, 1993 et ​​al.).

Mais recentemente, Uma Vacina contra Haemophilus influenzae Entrou na clínica Área (Rubin et al., 1989). A eficacia Desta Vacina em Doença das Células falciformes E Desconhecido. Dada Uma sepultura Natureza H. influenzae Infecções sas pacientes, MUITOS Especialistas, pediatras principalmente, ágora imunizar rotineiramente SEUS PACIENTES contra este Organismo.

Recentemente, Uma Vacina Eficaz contra Uma Desenvolvido foi B hepatite. Como OS PACIENTES COM Doença falciforme São susceptíveis de vida SUA exigir Uma UO Mais transfusões em, um Imunização contra a hepatite B E UMA precaução Razoável (Mok et al., 1989).

A necrose avascular do osso

A necrose avascular dos Ossos e Um Problema Comum EM pacientes com Doença Falciforme. Este Processo E distintamente diferente da necrose da medula óssea aguda discutido anteriormente. Como áreas Mais afetadas São cortical osso do acetábulo, a Cabeça do fêmur, e Uma Cabeça do úmero (Hernigou et al., 1993). A etiologia da necrose avascular do osso E Desconhecido. Uma hipótese postula hiperplasia da medula na Cabeça femoral com apinhamento dos Tecidos e diminuição do Fluxo sanguíneo secundário Para o osso Como o Fator de incitação. A avascular necrose também ocorre em pacientes com condições compostas heterozigotos, Tais Como a Doença de Hb SC, os pacientes de EM Bem Como COM Doença SS homozigótico.

pacientes identificar Mais Pesquisas São Necessárias Pará em Risco no Início do Curso do Processo degenerativo para quê Medidas preventivas possam Ser instituídas. Um promissor complemento Ao arsenal diagnóstico E imagiologia de Ressonância Magnética. Este osso Técnica PODE detectar Evidências Muito precoce de Danos Ao, e mantém a Esperança de Uma Melhor Gestão Desta complicação Muito debilitante da Doença falciforme.

osteomielite

Osteomielite MUITAS vezes ocorre sem LOCAIS dos Segmentos de osso necróticas. Cerca de Três Edições in quarto dos Casos de osteomielite EM pacientes com Doença falciforme São devido a Espécies de Salmonella (Anand e Glatt, 1994). dor local, febre e São OS Indicadores Mais Comuns da osteomielite crônica (Epps Jr et al., 1991). Nos Estágios Iniciais da Doença, roentenograms ósseas e Até MESMO osso Verifica frequentemente São unrevealing. scans de Gálio PODE fornecer Evidências Iniciais da Doença. Recentemente, a RM foi adicionado Ao arsenal de diagnóstico, e Parece Ser Uma Técnica promissora (Bonnerot et al., 1994). O diagnóstico definitivo geralmente requer biópsia óssea. Este Procedimento MUITAS vezes NÃO E UMA Opção, devido à Localização da Infecção, entanto Nao. Uma vez Que o diagnóstico E Feito, São Necessários Quatro A SEIS Semanas de antibioticoterapia endovenosa.

Se hum Organismo causador NÃO E identificado, OS Antibióticos de largo espectro Que Tem boa penetração NÃO USADO Tecido DEVE ser. A Evidência da eficacia, Nestes Casos, E UMA Melhoria Nenhum Padrão de febre e dor. O Advento dos Serviços de infusão Casa obvia a necessidade de hospitalização prolongada EM MUITOS Casos.

úlceras de Pelé

Disfunção renal

O Risco de Disfunção renal OU falha E pacientes EM substancial com um falciformes Doença das Células (Flanagan et al., 1993). A Alta osmolaridade na medula renal aumenta a propensão célula Paragrafo afoiçamento. Como resultado, isquemia e necrose papilar medular São Problemas Comuns (Powars et al., 1991).

Às vezes, Como papilas Necrotica desfazer QUALQUÉR Sistema de Coleta, obstruindo a via de SAÍDA. Nenhuma Intervenção Específica foi concebida Que É particularmente Eficaz Nestes Doentes. QUANDO UM uréia e creatinina começam a Subir, pacientes limitando o consumo de proteína E Razoável, Como E Recomendado Pará página Outros com Disfunção renal. Um Relatório sugeriu that OS Inibidores da enzima de Conversão da angiotensina PODE TAMBÉM retardar a Progressão de nefropatía em Doença das Células falciformes (Falk et al., 1992). E necessaria Uma Investigação Mais aprofundada Desta promissora Pista.

pacientes OS com Doença falciforme TEM geralmente Baixo creatinina sérica e Os níveis de uréia. Isto É provavelmente devido à Elevada taxa de Filtração glomerular, juntamente com Uma Elevada taxa de secreção de creatinina não distai túbulo. Valores de BUN de 7 e creatinina Valores de São 0,5 Típicos daqueles observados pacientes de EM com Doença falciforme. De Uma Avaliação da táxons formais de Filtração devem SER consideradas glomerular em Doentes nsa Quais a creatinina não sobe soro Acima do nivel de cerca de 1,0..

Potencialmente drogas nefrotóxicas DEVE Ser USADO com extrema precaução em Doentes com Doença falciforme. Antibióticos Tais Como gentamicina DEVE Ser evitada, Quando Outros Agentes estao Disponíveis, Que São Menos Tóxicos PARA O aro. Como observado anteriormente, Medicamentos anti-Inflamatórios Não-Esteroides (AINEs) DEVE Ser USADO com precaução em Doentes com Doença falciforme. Cargas Pesadas de Agentes de contraste radiográfico antigamente ERAM UM Problema significativo Paragrafo OS PACIENTES COM Doença falciforme. Os Agentes Mais Recentes Produzir Uma carga agente penetrante MUITO MAIS baixa, com menor Perda dos rins, Como resultado.

A pacientes limitada Existe Experiência na eficacia da diálise EM COM um falciformes Doença das Células (Falk et al., 1983). Relatórios que a hemodiálise E pacientes problematica EM com Doença falciforme São anedóticas. DEVE Ser realizada de Todos os esforços Paragrafo Evitar a deterioração renal. microscópica hematúria e Um Problema Comum pacientes de EM com (pacientes BEM Como Alguns com traço falciforme) Doença falciforme. Hematúria per se requer nenhuma Intervenção, um Menos Que Uma Perda de Sangue e enorme. Alguns pacientes com Doença falciforme e Insuficiência enxertos receberam renais (Gonzalez-Carrillo et al. 1982).

PESSOAS COM traço falciforme POR vezes, desenvolver maciça hematúria (Sears, 1978). Curiosamente, o sangramento frequentemente VEM do Rim Esquerdo. Hidratação e alcalinização da urina São intervenções comumente Usados. Relatórios anedóticos de o Uso de DDAVP Nesta Situação São encorajadores (Baldree, et al., 1990). Epsilon amino ácido capróico pacientes (Amicar) TEM SIDO Utilizado em Alguns com sangramento refractario a Partir do Rim (Black, et ai. 1976). O sangramento PODE Continuar POR Semanas. REPOSIÇÃO de ferro PODE Ser Necessário EM Alguns Casos, Como intervenções de Tratamento Continuar ‘.

retinopatia

Retinopatia e Um Problema significativo Paragrafo 10% a 20% dos pacientes DOS COM um falciformes Doença das Células (Moriarty et al., 1988). O desconhecidas pico de Idade de inicio E na DÉCADA DE 20. Por Razões, a Doença SE DESENVOLVE Maïs frequentemente doentes de EM com Doença de hemoglobina SC Fazer que naqueles com Doença falciforme homozigótica (Clarkson, 1992). A retinopatia se assemelha observada em PESSOAS diabetes com.

Coração

Cardiomegalia E Comum EM pacientes com Doença Falciforme. Normalmente, ESTA Condição reflete estado sustentado de alto Débito cardíaco. Enquanto Uma falha de SAÍDA de Alta ocorre pacientes EM Alguns COM Doença falciforme, o Coração E hiperdinâmica na maioria (Gerry et al. 1978).

pulmonar congestão, devido à sobrecarga de Fluidos Durante a hidratação do Pará Uma crise dolorosa NÃO e Um Problema Comum em Pacientes Jovens. Um Conforme Imagem muda A Idade do Paciente. Uma Minoria distinta de pacientes Irão desenvolver Problemas com o Equilíbrio de Fluidos com o desafio de fluido Que ocorre com hidratação (Haynes, Jr. e Allison, 1986). pacientes Alguns Pará, o Problema de E Mais uma Disfunção da fibrilação ventricular Esquerda Fazer que Uma Actividade diminuída. No entanto, OS PACIENTES que desenvolvem hum Baú Imagem radiológicos sugestivos de "insuficiencia cardíaca congestiva" Durante o Tratamento Para a crise de dor DEVE Ser examinado cuidadosamente Paragrafo Descartar OUTRAS Complicações, Como síndrome torácica aguda.

Gravidez

Terapias Mais Recentes

Terapias de Benefício comprovado

hidroxiureia

Em 31 de janeiro de 1995, o Estudo Multicêntrico de hidroxiureia NÃO Anemia Falciforme (MSH) foi suspensa Cabelo pacientes NIH Porque OS NÃO Braço hidroxiureia Fazer Estudo tinham significativamente Menos crises dolorosas Fazer que Controles OS (Charache et al., 1995). ISSO fez Com que a hidroxiureia a Primeira (e UNICA) de drogas Comprovada crises para Prevenir falciformes. Uma Segunda Observação Importante foi que 50% Menos episódios de síndrome torácica Aguda ocorreram pacientes EM Tratados com hidroxiureia. O hidroxiureia Nao Cura Uma Doença falciforme, NEM e Eficaz EM PACIENTES de Todos os. Um Estudo detalhado mostrou que hidroxiureia modifica Como Características de Globulos Vermelhos em Doentes com Doença da HbS homozigótica Paragrafo assemelhar-se AOS DOS pacientes com Doença HbSC (Bridges et ai, 1996). A RESPOSTA heterogénea visto NÃO Estudo MSH E consistente com Como PESSOAS COM Doença falciforme Sendo "convertido" Paragrafo Uma fisionomia Doença HbSC. Os Doentes devem Ser cuidadosamente selecionados dos dos e atender a certos criterios:

  1. Idade – 18 ano UO Mais.
  2. Frequentes dolorosas crises vaso-oclusivas. "Frequente" crises PODE razoavelmente Ser Definida Como Três Mais ou POR ano hospitalização que requerem.
  3. Uso de Modos aceites de Contracepção Para Evitar A Concepção, enquanto na droga.

Hidroxiureia NÃO E terapia Razoável Paragrafo pacientes MUITOS com Doença falciforme. pacientes OS Que Tem relativamente poucas crises de dor vaso-oclusivos NÃO devem Receber terapia de hidroxiureia. Otras contra-Indicações Para um incluem hidroxiureia:

  1. Gravidez
  2. A alergia a droga
  3. Trombocitopenia neutropenia UO

Embora trombocitopenia e / ou neutropenia São contra-Indicações relativas, os pacientes Alguns PODEM tolerar a medicação, apesar destes Fatores pré-existentes com Acompanhamento de Perto. hemogramas bimestrais São Necessários QUANDO OS PACIENTES São Iniciados em hidroxiureia. Em Alguns Doentes a hidroxiureia, o hematócrito aumenta à Alta 30 OU MESMO Baixas 40. Nenhuma Evidência Existe Paragrafo APOIAR hidroxiureia Como profilaxia contra Acidente vascular cerebral, úlceras crônicas de perna, priapismo, OU OUTRAS Complicações da Doença falciforme.

Os Dados Sobre a hidroxiureia se aplică APENAS UM pacientes com anemia falciforme homozigótica (genes Dois da hemoglobina S). pacientes OS com condições heterozigóticas Composto (Por Exemplo beta-talassemia falciforme-, Doença de Hb SC) foram Excluídos do Estudo MSH Pará Eliminar QUALQUÉR Possível se hum Variabilidade das Respostas nsa Dados. Futuros Ensaios Clínicos PODEM abordar estas Questões.

A hidroxiureia E teratogênico EM camundongos, MAS SUA Toxicidade PARA O feto humano E Desconhecido. A droga NÃO foi Associada com a carcinogénese. O potencial carcinogênico com o Uso de Muito Longa Duração E Desconhecida, Não entanto. O NIH-Patrocinado Follow-up Study of hidroxiureia na Doença falciforme E projetado Para monitorar Como 300 PESSOAS Fazer Estudo Originais MSH Paragrafo Efeitos secundarios a Longo Prazo.

Transplante de Medula óssea

Transplante de medula óssea PODE Curar SCD. Este Intervenção foi USADA Pela Primeira Vez em hum Paciente com Doença falciforme, que também tiveram Uma recaída de leucemia linfocítica aguda. O transplante foi Feito Paragrafo TRATAR Uma leucemia, mas curou a Doença falciforme também. A Maior Experiência com o transplante Paragrafo a Doença falciforme VEM da Bélgica e da França, Onde Cerca de 80 pacientes foram submetidos a transplante de medula óssea (Apperley, 1993). Os Resultados TEM SIDO Bastante promissor com cura da Doença falciforme em todos OS Casos em que o enxerto ocorreu.

Uma Questão ética NÃO resolvida ENVOLVE o transplante de medula óssea em Crianças com Doença falciforme. A Doença falciforme E MUITAS VEZES Uma Condição debilitante Que Torna a vida miserável Paragrafo SUAS Vítimas. Embora o Estudo da História indica Naturais Que OS PACIENTES COM Doença falciforme morrem Mais Cedo Fazer isso Como Projeções Atuariais Pará Outros afro-Americanos, Dados coletados OS NA DÉCADA DE 1980 mostrou Uma Expectativa de vida Que se estende Até OS 40 ano. Com o USO Quase da profilática penicilina universal em Crianças para Prevenir Infecções pneumocócicas esmagadora juntamente com Outros avanços no Tratamento de Suporte, este Número de e susceptível de melhorar.

A Questão de Quem DEVE Decidir sujeitar à Criança a este Procedimento potencialmente fatal da MESMA FORMA E Complexa. No Caso de Uma decisão Ser deixada Paragrafo OS pais e Os Médicos? Em cantarolar Estudo da Universidade de Chicago, pais OS foram apresentados com Dados hipotéticos Sobre as taxas de cura / Mortalidade Paragrafo Como Crianças com Doença falciforme, e pediu Paragrafo Indicar QUANDO OS Riscos do Procedimento ERAM aceitáveis ​​em Relação à Gravidade da Doença (Kodish et al., 1991). Cerca de hum terço dos pais indicaram Que Uma taxa de Mortalidade de 15% transplante juntamente com Uma Incidência de 15% de Doença do enxerto-versus-hospedeiro foram probabilidades aceitáveis. No entanto, Os Jovens Adultos com Idade Superiores a 18 meses Não foram Autorizados hum Participar No processo de decisão. Caso os pacientes OS, aqueles com mais à Ganhar E MUITO a Perder, ser excluido do círculo de Tomada de decisão? Os Tribunais nomear Advogados Paragrafo as Crianças, Paragrafo garantir Que OS pais e Os Médicos de Fato estao agindo na "Melhor Interesse" dos Jovens?

Um Programa de transplante de medula óssea Para a beta-talassemia major iniciada foi com Êxito em Itália (Lucarelli et al., 1993). Embora a Doença de Células falciformes e beta-talassemia major hemoglobinopatias São Ambos, Claras Diferenças entre Como Doenças Existir. O Mais Importante E a Progressão monótona à incapacidade e morte Que ocorre com Maior beta-talassemia. Transplante de medula óssea Para a Doença falciforme oferece promessa. O Júri NÃO retornou hum veredicto final, entanto Nao.

Terapias Experimentais

eritropoietina

Em cantarolar Relatório, a dose Uma USADA NUMA droga foi de Mais de 1000 U / kg Três vezes POR semana (Rodgers et al., 1993). O Tratamento elevou significativamente OS níveis de hemoglobina fetal. A Quantidade de eritropoietina requerida Para este Efeito foi enorme, especialmente quando comparado com OS PACIENTES em hemodiálise, Onde a dose Uma tipica e ágora de cerca de 150 U / kg Três vezes POR semana. O Custo de eritropoietina com a dose Uma Mais Elevado E proibitivo. Além Disso, enquanto Que a eritropoietina PODE Aumentar o Teor de hemoglobina fetal de Células Vermelhas, Nenhum Estudo Controlado mostrou que altera o Curso clínico da Doença das Células falciformes.

butirato

butirato de arginina e Compostos SIMILARES foram testadas EM pacientes com Uma falciformes Doença das Células (de 1989 Perrine et ai.). O USO Deste agente surgiu da Observação de que OS bebés Nascidos de Mães diabéticas com o Controle da glicose pobre tinha sofrido Produção de hemoglobina fetal apos o nascimento em Relação AOS recém-Nascidos de Mulheres Normais. Butirato Produzido Como hum subproduto da hiperglicemia produziu o fenómeno. Um grupo de Investigadores subsequentemente examinado o Uso de butirato Como hum Meio de induzir a Síntese de hemoglobina pacientes EM fetais com Doença de Células falciformes (Perrine et ai., 1993).

clotrimazol

nítrico óxido

O óxido nítrico e Um dos Mais Novos Agentes Paragrafo ENTRAR em teste Pará hum Possível Tratamento de pacientes com Doença falciforme. E Um gás inalado Que Tem SIDO Utilizado em Uma Variedade de condições Experimentais, incluíndo a hipertensão pulmonar neonatal e síndrome de dificuldade Respiratória do adulto.

O óxido nítrico E conhecido principalmente Pela SUA CAPACIDADE Para relaxar o Relaxamento Fazer músculo liso. No entanto, o Composto também FORMA Uma Ligação covalente com a hemoglobina, em especial de Fixação Como hum grupo S-nitroso PARA O ß-93 Cisteína (Gow e Stamler, 1998). Este Resíduo de amino ácido ESTÁ Perto Fazer "bolso aceitador" NÃO ßsubunidade de hemoglobina em que hum ß-6 Valina da Hb S forma Uma Interacção Não-covalente. Uma cisteína S-nitroso hidrofílico NÃO ß-93 Poderia residuo desestabilizar a Interação Entre Moléculas desoxi-Hb S polimerizado falciforme em hemoglobina.

Fluocor TM

Terapia de REPOSIÇÃO Gene

O gene da beta-globina foi clonado Um certo Número de ano Atrás, despertou o Interesse na possibilidade de terapia de Substituição de genes Para Uma Doença das Células falciformes. Embora a substituir o gene Idéia de Simplesmente defeituoso com hum atraente E normal, Uma série de Grandes dificuldades devem Ser superadas. A Primeira E hum de engenheiro Uma Construção em Que o gene da beta-globina E O Expresso em níveis Elevados. A controlam Nossa Compreensão dos Fatores Que Uma Expressão de genes de globina TEM Avançado significativamente Nos Últimos anos, de mas MUITAS das nuances estao trabalhados AINDA UM SER. Um grande segmento de ADN de hum Montante do Grupo de genes da beta-globina, Chamada Região de Controlo do lócus, E necessaria Pará Uma Transcrição Eficiente Fazer ARNm de beta-globina. QUALQUÉR Tentativa de terapia genética DEVE Incluir A Região de Controle do lócus grande.

Outro Problema E que o inserido gene DEVE Ser Regulada na SUA Expressão de MoDo Que ELE Produz Cadeias de beta-globina hum hum Nível Approximatif igual Ao da Produção de Cadeias de globina alfa endógeno. Incapacidade de alcançar hum Equilíbrio tal produziria hum talassemia. Além Disso, o gene da beta-globina endógeno provável foice Terios de Ser silenciado, de MoDo Que NÃO continuam a Produzir Cadeias de globina falciformes.

Finalmente, o gene clonado Terios de Ser introduzidos em Células estaminais pluripotentes de MoDo Que o Paciente Continuar a Fazer beta-globina normal, perpetuamente. OS vectores retrovirais Que Tem SIDO utilizados Para este Ponto de infectar Como Células em divisão, enquanto que Como Células estaminais pluripotentes dividem Muito Lentamente. Para Superar ESTA dificuldade, um Número de Investigadores voltaram-se Paragrafo OS vírus adeno-Associados (AAV) como Veículos Para Uma terapia de gene Uma Vez Que Estes vírus PODEM infectar Células em Repouso. Aqui Uma nova barreira, E ISTO, a RESPOSTA imune PARA O Vetor viral, aparecido TEM. Em QUALQUÉR Caso, Uma terapia genética para á Doença das Células falciformes, Uma última Paragrafo cura a Doença, Não E iminente.

concluindo Pensamentos

Sem Grandes avanços na terapia genética OU transplante de medula óssea Que tornam Estes Tratamentos APLICÁVEL hum hum grande Número de pacientes, Uma Intervenção fármaco permanecerá a principal Opção Terapêutica Para a Doença das Células falciformes. A Probabilidade de e baixa de Encontrar hum "bala mágica" Medicamentos que melhora substancialmente a Doença falciforme Para Todos OU MESMO A Dos maioria pacientes. O Tratamento deve Envolver a utilização de Diferentes Agentes Isolados OU em Combinação Para Produzir Os Melhores Resultados. A maioria das Doenças crónicas, de Fato, necessitam de terapia de Combinação de fármacos. A hipertensão, Por Exemplo, NÃO PODE Ser administrada Exclusivamente COM diuréticos. Médicos Combinações de teste de diuréticos, beta-Bloqueadores, Bloqueadores do canal de Cálcio e Os Inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA) Para Conseguir o Controlo da hipertensão opitmal enquanto Produz o menor Número de Efeitos secundarios.

Tabela 2. Terapias Futuras Paragrafo Doença Falciforme

Mensagens Relacionados

  • Como uma tratada Doença Falciforme …

    Manutenção da Saúde para Prevenir Complicações Bebês com Doença falciforme (SCD) devem Ser encaminhados Paragrafo hum Grupo Medico OU Profissional Que Tem Experiência de Cuidar de Pessoas com Doença ESTA ….

  • Doença renal, o Que É UM rim dilatada.

    Cyberfriends: A Ajuda Que Você está em PROCURANDO E provavelmente aqui. Esta página modificada foi Pela jornal jornal Última 1º de janeiro de 2016. nao tenho Patrocinadores e NÃO hospedar anuncios pagos. Todos Os links Externos fornecidos São Paulo …

  • Tratamento do carcinoma de Células escamosas

    A carcinoma de Células escamosas (OU SCC) e Um Câncer de Pele Que PODE aparecer Como Uma Colisão OU Como hum Vermelho, Remendo escamosa. MUITAS VEZES E Encontrado em, pele clara gravemente danificada Cabelo sol, e POR ISSO DESENVOLVE MUITAS vezes em …

  • A Doença das Células-tronco Xpress médico …

    09 Resultados de abril de 2015 ósmio do Estudo, publicado Hoje na revista celular. giram em torno de iPSCs, que a partir de um permitiram SUA Descoberta 2006 Que OS Pesquisadores Paragrafo persuadir maduro (Completamente diferenciado) …

  • Hodgkin s síntomas da Doença, diagnóstico …

    A Doença de Hodgkin: Introdução A Doença de Hodgkin e Um tipo de linfoma. hum Nome Genérico Paragrafo hum grupo de cânceres do sangue Que originam Nos gânglios linfáticos. Os gânglios linfáticos São Órgãos de …

  • Doença inflamatoria intestinal, Problemas de cólon menor dor nas Costas.

    Noções Básicas de artrite inflamatoria Doença intestinal Significa Inflamação das Articulações. Inflamação e Um Processo Corpo Que PODE resultar em dor, inchaço, calor, vermelhidão e rigidez. As vezes…